quarta-feira, 30 de setembro de 2009

As mulheres da minha vida página doze


As mulheres da Aldeia estavam anciosas para que a França se aliasse a eles, seriam gratas eternamente por salvarem aquele povo das mãos perversas de um padre vingativo e sem menores valores, estavam confiantes que seriam vitoriosas.
A guerra se alastrava, a França já ocupara grande parte daquele país em breve a Espanha estaria nas mãos dos franceses, e era para o povo cigano uma vitória.Entào no dia seguinte os soldados franceses se apossaram da Aldeia e ali fizeram acordo e nada acontecera as seus aliados, as mulheres da Aldeia em fim respiraram aliviadas, o mundo sofrera muito as dores da guerra, o povo cigano foram cruelmente atacados pela igreja e agora lutando para a sobrevivência.
As mulheres da Aldeia se tornaram ainda mais famosas , mas como trabalhavam junto as tropas francesas nada sofreriam, os soldados as amavam, as curas eram constantes e ainda mais mulheres se juntaram a elas, os homens ficavamm transtornados ao saberem que suas mulheres estavam aprendendo e se aliando as mulheres escomungadas pela igreja. O padre estava alimentando o ódio que sentia por aquelas mulheres. As pequenas meninas Sebastiana e Mercedes aprenderam a arte cigana e a magia.
Num confronto que devastara parte da floresta , a pequena Sebastiana se queimou, era uma dor incalculável, Sara ficara desesperada, lembrara de sua família e do acampamento que fora queimado a mando de um padre perverso e inescrupuloso, então Sara e Maria pegaram a pequena Sebastiana e a colocaram diante do rio que cortava o lugarejo, lembraram-se das flores amarelas que buscavam a beira do caminho em direção a casa de campo, ao pegarem a pequena flor fizeram uma compressa e a coloco nas feridas de Sebastiana que chorava de dor , e por muitos momentos chegou a sofrer desmaios e vômitos.
Em alguns dias já estava bem , sua pele sofrera bastante com as queimaduras e agora podia correr sem mais preocupações, regularmente faziam um chá daquela flor que curara Sebastiana as manchas de queimadura clarearam e Sebastiana não mais se envergonhara das suas queimaduras.
Sebastiana crescera sempre com os carinhos de Sara,, a amava como uma filha, Mercedes também a tinha como uma mãe, na verdade Sara era a mãe de muitas pessoas ali, pois possuia dentro de si a vontade de ajudar, com a ajuda de Messias Sara tornara uma boa curandeira , mas sempre achara Messias o pai daquela medicina peculiar e que ninguém entendia, Messias as ensinaram a trabalhar com os espíritos da floresta, algumas vezes se sentiam culpadas por ajudar as pessoas com intenções nada boas, mas assim faziam. Se tornaram as mulheres da Aldeia por transformarem aquele lugar numa peregrinação, todos queriam conhecer as mulheres que cuidavam dos soldados da frança, outras mulheres as tinham como exemplos, algumas abandonaram maridos e isso intensificava sua fama e o ódio do Padre Amaro.
Cinco anos se passaram e a França foi perdendo a força na Espanha, alguns soldados retornavam a suas casas e algumas mulheres fugiram com a desculpa da guerra que devastou parte da Espanha, agora tentando se reestabelecer.
Os ciganos agora ficaram apreensivos, pois o ódio do padre era visível e todos já esperavam outro ataque .O padre passara a ser odiado por muitos fiéis pois tinham muitos filhos e seus maridos nao já suportavam aquela situação, o padre entào precisara de mais prestigio frente a igreja e seus fiéis. A igreja já não tinha tanto poder mas ele não se livrara do ódio que sentira por aquele povo.
Tentara achar a jóia sem muito sucesso, vasculhou todos os lugares possíveis, e agora sabendo que Matilda estava viva agora restara procurá-la.reuniu os homens que o apoiara e alguns soldados, foram procurar apoio da Igreja em Roma e voltara com uma autorização da igreja para prenderem aquelas mulheres.
Num documento assinado pelo Papa, o Padre Amaro prenderia as mulheres da Aldeia e as queimariam vivas diantes de toda a aldeia, então todos do acampamento resolveram fugir, seria para a França onde tinham estatus e o apoio do agora General Françói Frederico este se casara Sara em segredo, mas ela nada falara ao seu povo cigano , era a forma que esta encontrou para proteger seus amigos do acampamento.
Os dois se encontravam sempre as escondidas para que não suspeitassem , a cultura cigana é rígida ao se tratar de casamento, mas esta acabara se apaixonando por Frederico, mas a separação o fizeram sofrer, passara a beber em demasia, o casamento fora realizado pelas mulheres da Aldeia, e o Pai Messias, como elas o chamava, fora longe dos olhos da Igreja , seriam perseguidos se descobrissem, alguns tivera tal conhecimento, mas eram apenas os amigos mais íntimos.
Frederico a escrevia com uma certa frequencia mas parara por quê a igreja passou a confiscar as correspondências , e por segurança se separaram.Sara o amava com fervor mas era preciso que ficasse com seu povo para protegê-los.
Então o general agora estava ancioso para vê-la e mandou através de um amigo em quem muito confiava levar uma correspondência para Sara, este foi prestativo e a caminho fora atacado por ladrões, e morto, o general nada soubera deste acontecimento. Sara também nada soubera, esta estava grávida de poucos meses.As mulheres da Aldeia decidiram que iriam até a França e pedira permissão para que os ciganos fossem bem recebidos.A essa altura o padre Amaro já percebera as intenções dos ciganos e preparou uma emboscada para o povo de quem odiara.
Alguns aldeões conseguiram avisar a tempo os ciganos de tal armadilha, mas o Padre Amaro descobriu e acabou matando o pobre homem nas fogueiras que construiu na Aldeia alegando que este era o exemplo para aquele que se aliassem aos ciganos, muitos amedrontados fugiram outros se tornavam aliados a Padre Amaro.Sabendo da tragédia que acontecera na aldeia alguns ciganos fugiam mas logo presos pelo Padre, este fizera da Aldeia um cenário de horror, muitas crianças se tornaram agora órfas, e Sara se tornara ainda mais responsável pelo seu povo, agora grávida sentira ainda mais vontade de fugir, se encontrar com o General que amara e então viver em paz com o apoio da França e longe do Padre assassino de seu pai, do qual guardara as melhores lembranças.
As mulheres da Aldeia estavam se sentindo confiantes com a idéia de irem para a França mas algo no ar as fizeram fazer um círculo mágico em torno do acampamento para proteger a aldeia como Sara as ensinaram, assim elas fizeram , naquela noite o Padre Amaro tentara atear fogo nas tendas mas fora empedidos de chegarem até lá, isso aumentou ainda mais a idéia que se tratavam de bruxas poderosas, com aquele documento em mãos nada poderiam fazer e então iria destruir aquela raça ruim, assim ele dizia. A raça ruim nada mais era do que descendentes de um povo migrados do antigo Egito e das terras judias.Estes sempre massacrados mas por suas razões divinas , pois toda a história da humanidade é de fato traçada pela espiritualidade, e aquele povo cigano estavam ali para salvar-se e liguidar suas dívidas com os inquisidores.
Com a morte do mensageiro do General Frederico Sara não se informou das muitas lutas travadas por ele no próprio território francês, perante a justiça o General respondeu por se aliarem aos ciganos e estes agora também sofrera durante a guerra, mas agora perseguidos por um Padre vingativo nada podiam fazer a não ser fugirem.
Sara sentia dores abdominais terríveis e por pouco não perdera o bebê, este seria muito feliz , mas ela temera não completar a gestação.Seu primo Sitara a amoslestava constantemente para que se tornasse sua mulher, mas ela nada fizera apenas fugira deles,as ciganas que por ele brigavam quase se mataram em uma dessas ocasiões, uma delas Constnaça esfaquiou Isabel e esta jurou vingança, Eleonora esposa de Heitor, sempre estava a frente para impedir que estas se matassem, e Sitara sempre se orgulhara de ser alvo desses amores violentos.
Sitara sentira que Sara estava diferente e usara agora vestidos mais largos e desconfiara, como chefe dos ciganos tinha o direito de saber o que se tratava, mas deixou que aquela situação se resolvera para então questionar o que estava acontecendo.
Perto da fronteira algumas cidades além de onde se encontravam estava Padre Amaro e seus soldados de Deus esperando que numa emboscada pudesse atacar os ciganos e enfim, liguidarem as mulheres da Aldeia.
Ricardo e Gustavo não mais se interessavam pelas mulheres fugidas pois já possuiam suas propriedades e a vida boêmia continuaram a existir, então o padre Amaro os fizera ali se encontrarem pois este sabia do assassinato de Ester do qual era cumplice então a chantagem os fizeram se reunir, mas esta chantagem podia ser ao ver de seus dois comparsas um motivo para um assassinato, poderiam estudar esta questão, mas o momento não era aquele. O padre Amaro os fizera acreditar que com a morte das mulheres da Aldeia na fogueira podiam recuperar suas filhas que ficariam aos cuidados do avós estes se livrariam da responsabilidade.Eles amavam suas filhas mas não a ponto de lutarem por elas.
As mulheres da Aldeia seguindo uma intuição se desviaram do caminho e acamparam próximo dali, longe da estrada não correriam perigo, eram muitas famílias, a maioria eram crianças e mães, Mercedes e Sebastiana ficavam aos cuidados de Messias e das mulheres da Aldeia.Eram mutas crianças ali aos cuidados de Sara. Sitara a perseguia de forma visível e isto fizera Constança e Isabel sentirem inveja , Eleonora sempre alertara Sara das investida de Sitara mas Sara nada podia fazer a não ser fugir. Constança estava grávida de poucos meses mas não a impedira de sempre se atracar com Isabel.
Sara sentia dores e se tratava com as ervas que pudessem aliviar , mas não poderia esconder a gravidez por muito tempo, ao chegar na França saberia o que fazer.As mulheres da Aldeia estavam ainda mais unidas, Matilda sofrera com a ausência de Gerônimo, Maria e Cristina cuidavam das crianças ensinando-as latim, frances e Espanhol, todas ali contribuiam a sua maneira.
Na noite de setembro, o Padre Amaro não avistando os ciganos , se alojaram a beira da estrada esperando que estes aparecerem ,mas ouvindo e sendo influenciados por forças ocultas, analisou uma outra estratégia, iria esperar por mais uma noite, no dia seguinte iria procurá-los a poderia atacá-los durante a noite e assim fizera.

terça-feira, 29 de setembro de 2009

As mulheres da minha vida- página onze.


Sara estava desolada, ficara na tenda durante muitos dias, ninguém conseguia consola-la, amava o pai com fervor, nunca pensara nesse mal, então pensara numa vida diferente daquela, suas palavras pareciam desconectadas com o mundo físico, chamara o pai em seus momentos de desesperos e desamor.
Condicionara seucoração para ajudar aquele povo a superarem aquelas perdas, Messias sempre se dirigia a ela com palavras de luz mas seu coração nada ouvia, sentia tanta dor que nada sentira a não ser a dor.Então num dia, recebeu uma visita inesperada em sua tenda todos ficaram pasmados com aquela presença, era o Padre Amaro, estava escoltado por soldados de Deus, e disse a ela que iria prendê-la, então os soldados munidos de armas , a pegou pelo braço e a levou, neste momento as outras mulheres da Aldeia apareceram e Padre Amaro reconheceu Matilda e as outras mulheres.Neste momento ele simplesmente deixou que Sara ficasse ali dando chance de escapulir das mãos de seus algozes, então fugiu e as outras mulheres também, o Padre ficara paralizado e os soldados também, todos aqueles que ali ficarão parados como se vira fantasma, quando perceberam Sara já estava longe com as outras mulheres, mas algo em seu peito a fezera voltar, precisava proteger aquele povo mas Messias com sua sabedoria não deixara voltar atrás, ainda não era o momento certo de encarar a fera e as outras mulheres agora corriam igual perigo.
Então quando perceberam que os soldados e o Padre se afastaram voltaram até o acampamento ainda com as tendas dilaceradas pelo ataque daqueles que em nome de Deus destruíram po um sentimento vingativo do padre e de outros que não simpatizavam pelos ciganos, então aquele povo resolve fugir. As crianças estavam brincando no bosque com os outros ciganos, Mercedes e Sebastiana tinham a mesma idade, se diferenciavam por dias apenas. Sebastiana sempre fora uma criança prodígio e Mercedes com os olhos iluminados também possuiam seus dons.O Padre jurava vingança aquelas mulheres que fizeram desaparecer fiéis por conta de curas milagrosas, os aldeões, estavam em sua defesa, o padre precisaria de provas condundentes para incriminar Sara e as outras mulheres por bruxaria e as queimariam vivas, nas fogueiras da inquisição, o Padre Amaro deu uma trégua, algo lá no acampamento o fizera ficar paralizado, não conseguia entender o que acontecera, apenas se lembrava dos rostos nítidos das mulheres da Aldeia, por elas tinha um ódio mortal e jurara em seu íntimo que acabaria com elas.
Na verdade naquela tarde, algo sobrenatural os deixaram quietos e sem ação.Era o magnetismo do lugar e dos espíritos da natureza, mas pouco podiam entender, pois ao seu ver seria coisa de Satã e nada mais eram do que mentores dos ciganos desnoteando o quanto podiam os ferozes soldados e seu mentor maléfico o Padre Amaro.
Os ciganos muitos perseguidos temendo mais um ato cruel queriam fugir dali e seguirem um rumo, talvez Portugal como já haviam planejado, mas estavam temerosos, podiam sofrer emboscadas como era comum.
Ao chegar na Igreja o Padre Amaro, se viu diante de uma nova perspectiva, a sua missão seria destruir aquelas mulheres, eram amadas por todos aldeãos a Igreja podia sofrer com isso, pois se o povo defender as mulheres da Aldeia deixariam de frequentar a igreja e o clero faria com que ele deixasse a aldeia e sua vingança não aconteceria, então pensou em dar uma trégua e pensar melhor sobre o assunto.
As mulheres da Aldeia agora estavam ainda mais populares, as mulheres as admiravam e os homens ficavam temerosos em suas mulheres abandonassem o lar como fizeram as mulheres da Aldeia. Gustavo e Ricardo não se encontravam ali, estavam numa viagem de negócios , eram inescrupulosos e arrogantes.O Padre tentara avisá-los mas sem sucesso.
O Padre Amaro lembrou-se então de uma jóia que Matilda possuira em virtude de sua família que fora muito rica mas que perderam a fortuna , ele sabendo o valor resolveu entào que seria mais uma jóia na sua riquissima coleção.Aquela jóia poderia parecer simples aos olhos alheios, mas aquela jóia tinha um valor em especial, que Matilda desconhecera.
As mulheres da Aldeia estavam andando pelo bosque conversavam quando Messias apareceu apreensivo.
_ Estão dizendo que vossos maridos chegaão ainda esta noite, então precisam ter cuidado, a essa altura o Padre Amaro já devera ter avisado sobre vocês, especificamente você Matilda. Precisamos pensar em alguma estratégica para nós esquivarmos das suas tramóias, o Padre Amaro a tempos nada fizera ainda.Devemos ficar apreensivos , Padre Amaro é bastante inteligente e não podemos nos esquece do que acontecera no acampamento meses passados.
_ Tem razão pai Messias.
Assim passaram chama-lo, pois reconheceram nele a sabedoria e o amor que possuiam por todas aquelas mulheres.
_ Devemos nos unir para pensar em algo, seu ódio por nós é avassalador, o nosso povo precisa de nós, e devemos nos defender.Dispomos de armas mas nada se compara ao poderio dos soldados de Deus.A guerra já destruiu boa parte das encostas e as aldeias vizinhas já foram dissimadas pela França , talvez devemos noa aliar a eles e seremos protegidos ou também poderemos perder o pouco que possuimos e o nosso povo já nào suporta outro ataque.
_ Sara precisamos pensar muito a respeito pois somos poucos.
_ Podemos tentar uma conversa, talvez com os nossos conhecimentos possamos tratar os doentes da guerra em troca de proteção, estão próximos daqui.
_ Tens razão, Sara, nos protegemos assim dos ataques dos soldados de Deus e do desmandes do Padre Amaro.
Então as mulheres da Aldeia com sabedoria de grandes rainhas do passado se tornaram ainda mais fortes, agora o então chefe dos ciganos Sitara , primo de Sara, Sara desistira de comandar os ciganos pois não queria se casar, apenas seria serva de seu povo, ajudaria no que fora possível, não estava emocionalmente preparada para se tornar lider deles, mas na mente daquele povo sofrido, Sara sempre será a mulher cigana mais forte que ali existira, sua mãe se fosse viva se orgulharia das atitudes nobres da filha.Em suas orações sempre chamara pelos pais mortos pelas mãos da inquisição.A força de seu amor a deixara forte para lutar contra as trocidades.
No acampamento existira várias mulheres fortes mas Sara as lideravam com destreza, causando inveja a duas mulheres, Constança e Isabel, duas belas mulheres, uma seria a esposa de seu primo Sitara e a outra Isabel, mais jovem era apenas uma menina que amava Sitara mas em silêncio, embora todos sabiam.Enquanto essas se ocupavam em se duelarem , Sara se ocupava de cuidar daquele povo humilde e trabalhadores.
Se reuniram então Sitara ficaram preocupado mas diante das circunstâncias parecia ser a melhor solução, então as mulheres da Aldeia se prontificaram a conversar com o capitão francês, que ali já sabera das mulheres da Aldeia e seus poderes e ervas mulagrosas.
Então um jovem cigano , com o nome de Heitor se apresentou a ir até o acampamento francês e marcar um encontro as escondidas.Sua esposa Eleonora, uma jovem e bela mulher ficara apreensiva e temerosa mas sabia que tudo ocorreria bem, então esta com um amor intenso, entregou-lhe um lenço branco para que colocasse ao pescoço simbolizando as intenções do povo cigano frente as tropas francesas.
Heitor saiu em galope,num velho cavalo mas veloz, chegou até as tropas francesas e se declarou amistoso, o jovem capitão então pôs-se a ouvi-lo e ao tocar no nome das mulheres da Aldeia, estremeceu-se e disse em tom leve e com autoridade.
_ Meu jovem rapaz, diz a essas mulheres que eu as esperarei aqui e em paz.Faremos um acordo com a graça de Deus.
No dia marcado as mulheres se colocaram a disposição de suas melhores roupas bordadas pelas màos singelas das ciganas mais idosas que ensinavam a arte da tecelagem as mais novas, estas vendiam para as damas das redondezas por possuirem uma beleza difeenciada.
As mulheres seguiram em direção ao acampamento francês, os soldados as recepcionaram com honrarias, sabiam eles do tamanho do poder que aquelas mulheres magrelas possuiam frente aos camponeses e aldeões.
Foram levadas até um acampamento maior , a tenda era do Capitão Françoi Frederico, era um jovem com seus 30 anos completos, tinha larga experiência em conflitos , estava ancioso com aquele encontro, sonhara aquela noite com esse momento.
Quando colocou os olhos em Sara se apaixonara, seus olhos ficaram paralizados com sua beleza.Ouvia sua voz e estremecera seu peito, mas ela sempre muito amável nada percebeu, apenas se dirigiu a ele com a simplicidade e com a autoridade que tinha, manteve o mesmo tom de voz e prosseguiu seu discurso com cautela, nada questionou, apenas disse o que se passara com seu povo e prometera cuidar dos franceses , cuidaria de suas feridas e suas dores , seriam elas como enfermeiras , seriam as primeiras enfermeiras da história, nas muitas guerras sangrentas das guerras que se seguiram.
O Capitão então fazera um acordo com os ciganos e em breve se encontraria com o Padre Amaro, como Sara por vezes escondera parte em seus relatos, apenas se protegera e suas amigas.Era preciso que nada falasse até que ele perguntara.
_ Minha Senhora. Mas a Igreja vos perseguem? Como podereis se defender , a França é defensora das atividades da Igreja, e não poderei nada fazer se o Padre nào concordar com esse acordo.
Maria com sua voz suave e serena disse:
_ Meu Senhor capitão, estaremos cuidando de vossos ferimentos, dores e mazelas, quereis dispensar esses cuidados?Jesus não curou tantos feridos nós ciganos temos um conhecimento milenar na arte de tratar as feridas, as dores de nosso povo, então porque não aceitar?Acreditamos na Santa imagem de Jesus Cristo e queremos ajudá-los, e necessitamos de nos proteger, por favor.
Sara com um ar vencedor nessa primeira negociaçào disse de forma generosa.
_ Capitão, nosso povo carece de proteção assim como suas feridas precisam de cuidado. Aliando-se a nós venceremos esta guerra contra os bárbaros , esses que nada possuem a nào ser a ambição.Nosso povo está agonizando e precisando de apoio, eu imploro a ti e dedicamos nossas vidas a vos atenderem.
Comovidos com essas palavras de Sara o Capitão Frederico manteve sua promessa de pensar sobre tudo aquilo que conversaram.
Todos ali soldados e servos ficaram magnetizados com a presença daquelas mulheres, ali não pareciam rainhas, mas eram em suas atitudes e em suas almas.
Saíram dali ao entardecer e estavam esperançosas com idéia de se aliarem aos franceses, numa guerra infundada mas que por alguns breve momentos, talvez meses ou anos, mas ao menos o Padre Amaro não poderia nada fazer com seus aliados na guerra, agora os ciganos de fato estavam se sentindo protegidos.
Messias estava anciosa para saber o que ocorrera com a conversa, já havia estado com seu senhor Ricardo e sabera ele que este estava a procura de sua mulher Maria, já Gustavo ainda tinha um ódio por Cristina mas ele já havia se conformado, contando que fique com seus bens nada faria, e tentava convencer Ricardo dessa mesma estratégica, a mulher fora escomungada pela igreja, só seria aceita novamente se pedisse clemência,e mesmo assim o padre Amaro já havia confidenciado seus planos maléficos para aquelas mulheres.

NÃO VOU DESISTIR DESSE BLOG.

Em meu coração queria poder entender, como podem seres que Deus criou com amor podem não possuirem amor?
Hoje diante de tanta crueldade me vejo obrigada a dizer com o coração na mão que tudo será pago através da dor. Num instante em que reflito eu passo a entender como funciona a justiça divina.
Nós nos individamos com as pessoas com quem convivemos, tive uma dívida que contraí há muito tempo com o pai de minhas filhas, devo dizer que já paguei em leves prestações a dívida que contraí, agora é hora de partir.
Em meu coração não existe lugar para ele, pois depois de tudo o que passamos e tudo que ainda ele me faz , nada resta a não ser a dor da pena e do desprezo.
Fui uma mulher boa conforme aprendi com meus pai numa educação exemplar, meus pais depositaram em mim a esperança de uma futuro promissor, e eu quase agora sem forças só peço que Deus me abençoe pela minha vida e pelas minhas experiências.
Aprendi que a vida é repleta de conflitos externos e internos e nada mais dolorido do que saber a inexistência do respeito e da dignidade. A natureza humana é complexa, sabemos bem disso, mas acho que a maturidade não depende de sua idade, mas sim de como este aprende com suas experiências, nada tem haver com a idade e sim com a sabedoria.
Fui educada nas melhores circunstâncias conforme a natureza de meus pais, tão amados, minhas filhas tem como exemplos avós maternos extraordinários, aprendi as primeiras letras ao lado de poetas, entãp devo agradecer cada instante de minha vida aos meus mentores tão singelos e humildes.
Meu coração está recheado de boas intenções, tenho em mim a responsabilidade de educar meus filhos da melhor forma possível, não posso ofertar as melhores escolas mas devo dizer, que devo educá-las com meus melhores exemplos , de trabalho, de amor, de moral e tudo que hoje tenho e que um dia haverei de ter , pois nossas virtudes tende apenas aumentar conforme nossa vontade e nossas atitudes diante de nossas dificuldades.
Nas mais lindas histórias da humanidade sempre houve mulheres fortes que guiaram exercitos e povos, não só isso, mas foram sempre exemplos de amor e de solidariedade, as maiores mulheres do mundo antigo e de hoje sempre foram as que ousaram e enfrentaram as dificuldades com coragem e humildade.
Nós mulheres devemos seguir tais exemplos de força e de coragem, quantas de nós já pensamos em desistir de tudo e soltar os cachorros como dizem os mais jovens e os mais entusiasmados.Quem nada possuem nada podem oferecer, então eles acabam cobrando da gente o que eles não possuem e que eles naturalmente invejam, assim somos humilhadas e maltratadas por quem nada pode nos oferecer.Com todo o amor que tenho em meu coração, eu não sou Deus, nada posso fazer e se pudesse não o faria , pois acredito que devemos colher o que plantamos com as nossas mãos, somos os donos de nossas histórias, somos efeitos da causa divina.
Eu aqui fico pensando, não sou tão inteligente como gostaria, mas burra não sou, sou dotada de muitos talentos que me difere de tantas outras pessoas, tenho em mim sentimentos puros , então porque me sentir diminuta ? Comparando-me a pessoas que nada possuem a não ser o orgulho e egoísmo, e as palavras vazias de dizerem ser quem não são?
A nossa moral é o que nos tornam superiores, são as nossas mãos que estendem para que precisa, são os nossos pés que seguiram passos de amor, então, sou mais eu.
As mulheres de valor são sempre aquelas que possuem o mais belo e nobre de todos os sentimentos, o amor, junto com ele vem a dignidade, a caridade, a esperança, a fé entre outras que possuimos, ninguém pode tirar o que possuimos de melhor em nós, e pra quê nos sentirmos inferiorizadas se quem nos prometeu algo nós trae com a covardia de um predador? Somos nós heroínas, somos nós possuidoras de amor próprio, somos nós o ventre do mundo.
Diante de meus olhos passam imagens delicadas do que fui e agora de quem sou.
Sou apenas uma mulher no meio de tantas, mas quantas outras mulheres também possuem a mesma força para nos regenerarmos.
Nós não nos gabamos por sermos amadas, mas por amarmos.Fomos traídas por aqueles que nos prometeram a dignidade de existir.Fomos traídas por políticos que votamos, fomos traídas por pessoas que confiamos nossos empregos, a nossa amizade, o nosso companheiro que nos deveria acompanhar , por parentes, quem é que tenham nos traídos são apenas outras pessoas às vezes tão pequenas que é preciso dizerem que são grandes para se fazerem ser enxergados.
O clube das traídas é como um comunidade , sempre pronta para ouvir, para dizer e muitas vezes para que tenhamos um momento de silêncio para que seja feita a reflexão , e termos um tempo para sermos nós mesmas.
Estamos prontas para nos defendermos das atrocidades de quem nada sabem fazer a não ser reclamar do que já possuem, para quê maltratar o outro , perderá tempo e perderá achance de evoluir, nós vítimas de tais algozes poderemos um dia desfrutar da estrada de flores que seguiremos um dia no momento em que nos livraremos destes que nos amarram para terem o prazer de dizer que alguém os ama, na verdade é que temos pena, pena de quem nada pode merecer a não ser a solidão.
Devo dizer que quando o pai de minhas filhas descobriu este blog, quis que eu o desligasse, o desintegrasse, o destruisse... na verdade isso me deu ainda mais força de continuar escrevendo pois sào pessoas assim que preciso me defender, gente que só pensa em si e nada entendem, queria que estes soubesse que o mundo não gira em torno de sus umbigos, na verdade o mundo não quer pessoas assim.a estes dedico meu desprezo e as mulheres como eu a solidariedade.

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

OUSE SER DIFERENTE.

Eu gostaria de pedir às mulheres que ousassem, só um pouquinho, serem diferentes, ao menos por um dia. Quando digo isso, quero que essas mulheres atenham-se a certos detalhes que, às vezes, passam despercebidos. Vejo muitas mulheres mal-humoradas, o tempo todo. Parece que carregam um fardo do tamanho do universo. É um pouco assustador e bastante incômodo. Há muito mais mulheres com a "cara fechada" do que homens. Sinto mais hostilidade feminina do que masculina. Por que será que isso acontece? Será que as mulheres têm tanto medo assim umas das outras? Parece que estamos sempre na defensiva, à espera de um ataque pelas costas, que tanto pode vir de um homem quanto de outra mulher.
Eu queria propor que fôssemos diferentes, que fôssemos mais maduras, já que, é isso que apregoamos aos quatro ventos. Estamos sempre dizendo: -Os homens são uns irresponsáveis e imaturos, não conseguem fazer mais de uma coisa de cada vez e etc.
Tudo isso é verdade mas, cá entre nós, eles parecem estar aproveitando melhor as suas vidas. Parecem mais leais com os amigos e parecem se preocupar menos com a própria aparência. Eu penso que, se um homem só vê a aparência de uma mulher, é porque nós mesmas estamos sempre falando nisso.
Eu gostaria de ver mais suavidade nos rostos femininos, mais frescor, independente da idade que tenham. Por que temos que ser sempre rotuladas como as chatas, as que pegam no pé, as que se preocupam demais?
Que tal olharmos o mundo um pouco com os olhos masculinos? Sem tanta cobrança, sem tanto desespero e sem tanta amargura?
O mundo não vai melhorar do dia para a noite, com certeza, mas nossas vidas podem e isso só depende de nós mesmas.
Não se lamentem apenas! Lamentem-se, mas também, levantem-se e vamos à luta!
E viva o bom-humor!!!

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

As mulheres da minha vida- página dez


Sara estava preste a dar a luz , sua sogra estava sempre ao seu lado sempre sendo orientada pela espiritualidade a confortando.
Elas frequentavam o centro toda semana, agora Sara poderia saber o que lhe podia ser revelado do seu passado longíncuo.Numa noite elas estavam chegando ao centro na cidade de Belo Horizonte , e contentes Sofia esplanava grandes ensinamentos Sara cada vez mais interessada e nada mais temia mas algo em seu coração dizeia que aquele sentimento confuso dizia muito sobre seu passado espiritual.Chegando na centro, pegou a ficha do passe e se sentaram as duas diante de uma mesa grande e branca com flores ornamentais.
Durante as reuniões, tudo estava saindo perfeitamente bem quando um dos médiuns da mesa, começou a gritar seu nome ferozmente, ali começara uma luta interna em Sara, pois aquele espírito ali manifestara para então amedrontá-la, era um inimigo do passado a pedindo incansavelmente uma jóia que ele dizia que possuia, e ela sem entender chorou. Ele dizia palavras de ódio , não esquecera o passado e nem havia treinado o perdão.
Nessa noite pensou em não mais voltar mas Sofia a convencera de que deveria superar aquilo pois o perdào é a palavra divina da evolução espiritual.
A criança em seu ventre era mais uma criança da Espanha que vivera ali ao lado de nossa pequena Sara, a cigana querida e amada por todos.Esta criança que estava prestes a nascer seria nossa amiga Ester. A jóia se tratava de uma herança de família de Matilda que Ester aconselhou Matilda de guardar debaixo daquela árvore por meio de intuição, mas o que Sara tinha com toda essa história?
Sara era a encarnação de Matilda, a nossa Mulher da Aldeia, o nome foi escolhido por ela e dito por intuição para sua mãe, admirava a jovem cigana Sara que ensiinara sobre a magia e o amor.
Numa noite dessas reuniões durante mais uma manifestação de seu inimigo do passado Sara num impeto disse ao espírito raivoso.
_ Não tenho a jóia que deseja, pelo amor de Deus será que você não entende que já passou?
Ele ficou ainda mais nervoso e ela novamente disse:
_ Se eu a tivesse eu lhe daria para que você me deixasse em paz.
Então os membros da mesa tentaram com muito custo evangeliza-lo então partiu em companhia com os outros espíritos ali presentes com a esperança de que ele enfim acalmasse e se evangelizasse no plano espiritual, aquele espírito ali enfurecido era o Padre Amaro. Não se convencera daquela situação nova .Um homem dotado de uma inteligência bíblica não soubera praticar o que muitos os ensinaram, estava com ele uma legião de amigos.
Durante os passes medinúnicos havia um que sempre a consolava , era Messias , nosso amigo nobre e de bom coração que a curastes enquanto era Matilda e hoje ali ao seu lado.
_ Minha filha, esperava por você.
Tiveram um longo abraço e depois ela partiu.
Messias um crioulo forte, e jovem, ele com a sabedoria bastante peculiar, muito sofreu mas a sua energia e amor sempre acarecia suas Senhoras com humildade, sempre fora muito inteligente aprendera muito com os grandes homens do passado, para todos sempre fora um rei.
O amor pairava o ar no acampamento cigano mais estavam a muito tempo sem poderem comprar mandimentos, pois muitos comerciantes da Aldeia haviam sido proibidos e outros temerosos não queriam vender, haviam crianças, mães e idosos, eram penoso para Gerônimo viver daquela forma, eram famílias numerosas que viviam ali, as mulheres da Aldeia estavam sendo perseguidas e a todo momento estava fugindo das intenções do Padre de serem queimadas, os maridos enlouquecidos pelo ódio sentiam ainda mais orgulho e tentavam de todas as formas recuperá-las, mas como eram amadas por todos alguns as escondiam outros simplesmente as denunciavam, mas o Padre Amaro planejara uma emboscada para elas, ele devera muito aos nobres, quando descobriu que a jóia que Matilda possuia ficou alucinado, mas agora morta nada podia fazer, mas para sua surpresa prestes descobriria o que havia acontecido com aquela mulher que já violentara tantas vezes.
Numa tarde o povo cigano juntava as suas mescadorias para trocar por alimentos na Aldeia quando chega o Padre Amaro com uma tropa de seus soldados ditos Soldados de Deus, possuiam uma armadura e um coração no peito simbolizando serem os defensores de Jesus, nada mais eram que soldados que traziam a morte consigo.
Todos ficaram surpresos com aquela imagem trágica nos olhos do padre que todos temiam.Alguns correram mas estavam todos cercados, todos que podiam correram para as suas cabanas e estes soldados enfurecidos e ambiciosos roubaram os pertences dos ciganos e colocaram fogo nas cabanas, muitos morreram queimados, crianças ficaram órfas pois suas màes para protege-las as abraçavam, muitos idosos também, foi uma cena horrível e indecritível, aquele povo que fora sempre unidos perderam entes queridos, os que tentaram fugir eram massacrados pelas espadas dos soldados de Deus, estes soldados nada tinham de divinos.
Gerônimo chegou da campina e viu toda aquela cena e chorou, foi então amarrado e com um golpe de espada morreu ali diante do Padre Amaro, De longe Sara sentiu uma dor no peito como se fora arrancado seu coração, seus olhos viam toda a cena mesmo não estando lá, as mulheres da Aldeia não se encontravam ali, estavam na mata colhendo frutos que podiam carregar para que pudessem alimentar os ciganos que há tempos não se alimentavam direito.
Sara correu desesperada em direção do acampamento, seu coração partido na mais podia fazer, a cena da morte de seu pai estava presente em sua mente e mesmo não estando lá, vira perfeitamente o que ocorrera, as outras mulheres da Aldeia tenteram impedir que ela chegasse até lá.
Sara estava trantornada , via coisas estranhas pelo caminho, foi quando Messias apareceu com uma sacola com alguns mantimentos que comprara na Aldeia para ao menos aliviar a fome daquelas crianças ciganas, quando ouvira os galopes escondeu-se para ver o que se tratava, em seu peito sentiu uma coisa que não sabia definir foi quando viu Sara correndo, vendo-o abraçou-o e descreveu tudo que vira , só assim Sara parou, nos braços de Messias Sara mostrou-se fraca e como uma criança chorou em descompasso.
As outras mulheres da Aldeia ficaram boqueabertas com aquela cena, Sara era uma menina com a sabedoria e força de uma mulher, vendo-a chorar abraçaram -na e juntas choraram. Matilda sem palavras , ela que amara Gerônimo ficou paralisada, elas já haviam previsto tais acontecimento, mas fora surpresa para todas elas. Messias relatou o que vira, os soldados de Deus a galopes então nada poderiam fazer ali, esperaram o tempo acalmar-se para enfim , chegarem a Aldeia, os que haviam conseguido fugir se esconderam alguns em árvores e em galhos camuflados na relva, outros porque não se encontrava ali, restaram -se poucos. Muitos queriam vingança inclusive Sara que não conseguia esquecer a morte trágica do pai.
Assim que chegaram no acampamento e vira toda crueldade em vossos olhos nada ficara de pé a não ser as estacas que seguravam as cabanas, os corpos estavam transformados, algumas crianças choravam diante de corpos de seus pais, só assim puderam reconhecer de quem se tratavam, crianças de colo junto aos corpos de suas mães, velhos ainda cobertos com seus cobertores, era uma cena indescritível.
Sara ao ver o corpo do pai, nada falou, chorou como uma daquelas crianças, Messias não a deixou um só segundo, amava-a como se fosse sua filha.Sara por ele tinha um amor como se fosse um pai, tinha por ele uma admiração incalculável, eram íntimos em suas conversas que duravam horas e noites inteiras. Ali estavam eles diante de um pai de todos eles, nada podiam fazer senão enterrar seus mortos.
Passaram a noite ao relento, temiam que os soldados de Deus voltassem, dormiram alguns encima de ''arvores, outros em lugares isolados em tocaia para avisarem se virem algo mais, mas nada era mais assustador do aquele acampamento destruído pelo fogo e pela espada.
No dia seguinte, todos qu restaram tentaram reconstruir o que restou, houve uma grande comoção na Aldeia, muitos davam as costas para o Padre Amaro, o povo daquela Aldeia se revoltaram então devido a esse sentimento nobre alguns habitantes passaram a ajudar os cigados clandestinamente .
No dia do velório , todos ali compareceram , era uma multidão que acompanhara o enterro,o céu estava escuro, o dia parecia ter perdido a cor. o Padre não estava na Aldeia , estava em Roma comemorando o acontecido enquanto a Aldeia chorava a morte de tantas pessoas que de uma forma ou de outra havia tornado aquela Aldeia próspera e alegre.
O velório seguiu pela mata. Sara não escondia a dor, as mulheres da Aldeia unidas chorando a morte do mestre e mentor de todos eles, alguns mal puderam andar, a emoção era tão visível que os habitantes da Aldeia chorava também, foi quando os homens de confiança do Padre Amaro reconheceram as mulhures da Aldeia, mas nada fizeram , pois se agissem ali a Aldeia poderia se revoltar contra eles, já que muitos estavam ali ou quase todos da Aldeia, até aquueles que hostilizavam os ciganos se encontravam ali.
O clima de choque, a tristeza era tamanha e como tradição a festa cigana que comemora o retorno das almas ao nosso Pai cridora fora suspendida, havia apenas os sons dos violinos, uma canção sombria e mais nada.
O acampamento assim como Sara permaneceram em silêncio por muito tempo, agora só restaria reconstruir o que materialmente perderam.
As mulheres da Aldeia se tornaram mães das crianças, se tornaram tudo para aquele povo.
No coração de Sara surgira um sentimento de revolta mas precisava cuidar daquele povo qualquer ação insensata poderia custar a vida de todos eles, as mulheres da Aldeia acalmava seu coração, tinha quase dezessete anos e agora deveria seguir seu caminho e ajudar a liderar aquele povo.Talvez um casamento seria a solução mas preferia não pensar nisso agora.

NOS AJUDEM A CONSTRUIR.


Quando o amor nos envolve pouco podemos falar das tristezas, mas eu fiz uma promessa de que relataria o que sentia em virtude da minha responsabilidade tento em vista muitas mulheres que precisam dessa força para encarar a vida com os olhos voltados para a coragem.
Sou uma muher a serviço das outras mulheres que sofrem ainda as persevidades daqueles que apenas sabem olhar para si mesmo.
Com os pés ainda doentes sai para que eu pudesse respirar um ar diferente da fumaça fética em minha casa fruto das energias densas de quem maltratam esposas e filhos.
Quando nossos olhos procuram a luz possivelmente a escuridão nada podem nos atrair, ele ainda não merece qualquer consideração vinda de alguém como eu que só sabe amar .As minhas palavras some perto das atrocidades que fazem diante de olhos também medonhos, mas não estou aqui para relatar olhos cruéis mas a força que possuimos quando somos sábias ao nos defendermos com a força de nossa dognidade e supremacia, quer dizer, somos todas atraídas pela verdade e pelo bem querer, se nos tratam assim , é porque de alguma forma nos deixamos levar pelo amgnetismo insensato desses que nos ofendem e nos desejam mal, mas essa história deve ter um fim.Se hoje estou aqui embaixo amanhã certamente estarei de pé, olhando para os olhos tristes de quem me ofendeu, mas tudi tem seu tempo. Ë esperar o momento certo.
A verdade é imutável, ninguém pode viver eternamente na mentira, então deixem que vivem na escuridão de suas vidas e sigamos nosso caminho.
Aqui estou me sentindo acorrentada e mergulhadas em lama, mas como lótus, nós mulheres fortes e nobres nos tomamos pelas emoções e nos sacrifiicamos , mas os tempos são chegados e todas aquelas injúrias serão arquivadas na bagagem de quem nos caluniaram e nos agrediram então Deus nos será juiz dessa liberdade tão por nós desejadas.
Quantas vezes choramos em nosso íntimo as incertezas? Quantas vezes em busca de uma verdade vasculhamos e ignoramos muitas palavras ofencivas?Quantas de nós ficamos preocupadas com eles, os acolhemos em nossos braços , dando carinho e atenção e em troca desse sentimento nos oferecem calúnias e palavras duras.Não somos merecedoras disso tão pouco nos envergonharmos dessa posição pois mais cedo ou mais tarde colherão os frutos de suas ações, sejamos fortes e encararemos os males coma força e a fé de mulheres de nossa história universal.
Muitos exemplos temos em nossa hstórias a prórpria Maria de Nazaré muito sofreu , Joana D'arc da França, Santas e freiras em prol de quem pouco conheciam, tantas curadeiras morreram nas fogueiras por saberem os poderes da ervas para fins curativos? Somos sempre aquelas que carregam cruzes em suas vidas sofridas,mas a nossa cruzada feminina correrá mundos e nações.
Vamos deixar que a tristeza apenas aconchegue nos que precisam dela para crescerem , para aqueles que nos momentos, só nos causaram dor, deixe que Deus possa agir em nosso favor sendo pacientes e não nos acovardemos diante de chantagens.
Estou aqui sacrificando para que mais adiante eu possa colher flores mas isso não significa que estou covarde diante das circunstância, estou ainda enraizada aqui por motivos obvios, mas é chegado o tempo para que eu retorne a minha família para que eu me reestruture, é uma questão de tempo.
Este blog está sendo cada vez mais visitado, tenho certeza que alguma outra mulher destemida vai juntar a nós e também escrever belas páginas guiadas pelo amor em prol de outras mulheres também forte, será chegado o dia em que as nossas palavras serão ditadas e estudadas para que tornemos ainda mais ouvidas para enfim a cruzada feminina tome força.
Quantas mulheres anônimas são ainda maltratadas por serem mulheres, milhares de nós por ai querendo se fazer ouvir, então juntemos todas nós em abraçamos a causa da verdade , abracemos a causa do amor próprio, existem outras que só querem nos prejudicar ,mas nada mais é do que a inveja nesses corações que nos enfeitiçam com suas maldades, com os exemplos de desonestidade e de imoralidade.
Não estamos aqui querendo falar mal de homens e mulheres imorais que se vende por moedas se igualando aos algozes de Jesus e de outras mulheres da história que conhecemos bem.Só queremos formar uma cruzada feminina onde seremos todas lutadoras e exemplos de amor .Tantas mulheres que poderia ser também membros desse blog, que como nós nos indignamos com as mentiras e trocidades que nos ferem, entào abramos a mente para o bem fazer e se juntem a nós.Não queremos medir força com os homens ou mesmo com aqueles que nos ferem emocionalmente, socialmente mas nos colocarmos diante de obstáculos e superá-los com dignidade e supremacia, pois sabemos nós que a verdaderia nobreza está em agir no bem...
Somos perfeitos quando nos damos conta de nossas imperfeições, a verdade está em nossos corações e não em palavras que ofendem e degridem nossa imagem enquanto seres humanos.
Então façamos de nossas palavras a força de que precisamos para mudar o que muito está errado, podemos não mudar o mundo mas podemos ao menos fazer de alguém mais conscientes de quem são.
Merecemos os melhores lugares no palco da vida, seja como espectadores seja como artistas, somos apenas mulheres diante da universalidade da vida.
Obrigada por lerem nosso blog e ficaremos honradas em nos acompanhar nesta história em nós começamos a escrever.
Estaremos sempre unidas para que todas nós possamos crescer numa estrada de estrelas.

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

EU TE AMO NÃO DIZ TUDO! (ARNALDO JABOR)

EU TE AMO NÃO DIZ TUDO! por Arnaldo Jabor

O cara diz que te ama, então tá! Ele te ama. Sua mulher diz que te ama, então assunto encerrado. Você sabe que é amado porque lhe disseram isso, as três palavrinhas mágicas. Mas ouvir que é amado é uma coisa, sentir-se amado é outra, uma diferença de quilômetros. A demonstração de amor requer mais do que beijos, sexo e palavras, precisa de lealdade, sinceridade, fidelidade... Sentir-se amado, é sentir que a pessoa tem interesse real na sua vida, que zela pela sua felicidade, que se preocupa quando as coisas não estão dando certo, que coloca-se a postos para ouvir suas dúvidas e que dá uma sacudida em você quando for preciso. Sentir-se amado é ver que ela lembra de coisas que você contou há dois anos atrás, é vê-la tentar reconciliar você com seu pai, é ver como ela fica triste quando você está triste e como sorri com delicadeza quando diz que você está fazendo uma tempestade em copo d'água. Sentem-se amados aqueles que perdoam um ao outro e que não transformam a mágoa em munição na hora da discussão. Sente-se amado aquele que se sente aceito, que se sente inteiro. Sente-se amado aquele que tem sua solidão respeitada, aquele que sabe que tudo pode ser dito e compreendido.
Sente-se amado quem se sente seguro para ser exatamente como é, sem inventar um personagem para a relação, pois personagem nenhum se sustenta muito tempo. Sente-se amado quem não ofega, mas suspira; quem não levanta a voz, mas fala; quem não concorda, mas escuta. Agora, sente-se e escute: EU TE AMO NÃO DIZ TUDO!

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Um relato de uma aprendiz


m poucas palavras não podemos relatar nossas vidas, mas poucas palavras podem traduzir alguns sentimentos.
lembro-me quando precisei de ficar de repolso durante a minha gravidez de Isabela hoje com sete meses de idade, nos exato sete meses de gestação descobri um problema durante a gravidez muito angustiante, estava vivendo uma depressão isolada, pois em ninguém pude confiar pois todos achavam que eu estava neurótica e com problemas diversos , isso me cortava o peito com uma dor quase incalculável.Mas ninguém acompanhou em minhas tarefas diárias, o que fazia antes fiz até os últimos dias de gestação, sentia dores abdominais e muitas vezes chorei no banheira para que minha filha mais velha não tivesse em suas memórias cenas tão lamentáveis.Minha pressão alternava e enfim, a minha filha nasceu diante da força íntima que tive e por ela mesma, cheguei em casa não havia ambiente para receber uma recém nascida, então peguei a vassoura, o pano e limpei a casa como sempre fiz... até hoje as coisas continuam no mesmo pé, diante de meus olhos cenas e atos mesquinhos de quem só conhece sua própria imagem sendo estas imagens distorcidas.Diariamente ouço comentários ao meu respeito, e coisas erradas que nào me cabe dizer, pois meu blog não foi criado para dizer palavras feias mas sim palavras de conforto, gostaria de que muitas outras mulheres pudessem se ver e se amarem assim como tenho tentado fazer.
Sinto nos olhos dele uma imagem distorcida, um homem vingativo, inescrupuloso e hipócrita mas são as minhas palavras, são as minhas impressões já que aos olhos alheios ele me trata como uma rainha..Meus olhos correm em direção de minhas filhas buscando a segurança de que as suas vidas serão ricas de amor pelos avós que hoje residem em uma cidade longe daqui, mas que esperam anciosamente nosso retorno nos braços que não nos abandonam.
Durante um tempo longo, nem meus pais e irmãos tão amados acreditaram em mim , achavam que eu estava sendo mimada e ingrata por tudo que ele fez por mim em uma ocasião que não importa agora, mas nunca fui ingrata nem ao menos reclamei das situações anormais de que se julga correto e moralmente capaz de julgar as atitudes alheia como juizes.Sabendo eu das reais circunstância de sua vida financeira e amorosa.
Acredito que eu seja bem mais do que seu merecimento, mas cabe Deus julgar quem somos nós, mas me contenho hoje , as minhas palavras já não são defensivas, o tom de minha voz já não se altera pois acredito que tudo isso não demora terminar.
Nas minhas lembranças mais recentes me vejo inumeras vezes fugindo em busca de alguém para me orientar e acalmar meu coração, em muitos momentos me senti sendo vítima de estupro emocional como tantas mulheres que ainda não conheço mas que fervorosamente irei defender .
Tenho em mim muitas histórias para relatar mas acho melhor me conter e me reguardar de tantas coisas que antes achava ser de um homem matuto, e que hoje percebo que tudo aquilo era a cobertura de um bolo, nada mais.
Tenho ainda palavras ditas pela minha irmã do que ele falava ao meu respeito aos meus pais, os deixando sem dormir , doentes e preocupados comigo.Sendo tudo absolutamente mentira, entre tantas outras calúnias ditas que tento não dizer em respeito aos meus leitores tão amados e que acolhem e que em muitos casos sou dita como exemplo.
A minha vida não é um livro a ser desvendado , nem escrito por quem não me conhece, será escrito por mim mesma se fosse necessário mas quem dita as regras é nosso Mestre senor Jesus cristo , este que renova minhas esperanças.
A vida deveria ser para o aprendizado, pela tolerância e pela moral adquirida em muitas outras vidas, mas nem todos querem ser estudantes neste planeta de provas e expiações. Nossas ações são as palavras escritas em nosso livro da vida, é um diário, é um programa de tv, onde somos constantemente observados por nossos amigos celestes, não estamos sozinhos e nunca estaremos.Jamais Deus nos desampara nem discute nossas ações apenas analisa e nos oferem escolhas, liberdade mas corrige quando acha conveniente.
Somos seres pensantes , nascemos para nos tornarem melhore e exemplos de amor.Quando nos deparamos com um jovem nas ruas, maltrapilho, com fome ou drogado sabemos nós que aquela situação é baseada na lei da açào e reação nada podemos fazer a não ser a nossa parte conforme cristãos que somos, o amparando com dignidade mas as escolhas são daquele jovem, apenas estendemos nossas mãos.
Sinto-me ainda temerosa pelo destino que alguns traçaram mas são escolhas deles e não a minha, cada um colhe conforme o que se plantou.Sinto-me ainda compaixão mas embora saiba que tudo aquilo que vir acontecer é a moeda que Deus em sua sabedoria está pagando pelas ações inpensadas desses irmãos menores que escolheram uma estrada de flores secas e não pensaram que as pedras no caminho e como seria honesto para desviá-las e mesmo encará-las, precisam passar por catástrofes para aprenderem a amar... amor verdadeiro, pois amor não fere, amor não viola e nem agride ninguém, amor educa e aprende.
Quando amamos sofremos com fé, acariciamos os que sofrem e que muito também fazem sofrer, não é vergonhoso chorar, ser sensíveis aos outros, é vergonhoso simular sentimentos, é chorar por vingança, e se abater pela falta fé.
Sinto-me ainda penosa embora saiba que eles sofrerão duras penas pelos males que cometeram, queriam que ao menos pensassem nas outra possibilidades, no tempo que perderam , nos exemplos que deram de indignação, nos exemplos de perservidade.Sinto-me esperançosa que terão que aprender em um orbe primitivo, mas ainda espero conforme a vontade divina que estes que muito me agrediram possam aprender com as reações que terão conforme suas obras, mas sei que dificilmente acontecerá devido aos corações endurecidos vindos de Capela ainda sim estando aqui nada fora aprendido.
Enfim... Oremos também por nossos algozes pois um dia quem sabem aprendem infelizmente estaremos distantes, não apenas pelo orbe mas pela escala evolutiva em que nos encontramos.Que assim seja.

As mulheres da minha vida- página nove


As cabanas dos ciganos estavam em festa, havia ao menos se desviado do Padre que se assemelhavam as bestas do Apocalípse, todos estavam em festa, as mulheres da Aldeia, estavam ali para celebrarem a pequena vitória mas infelizmente seria uma das poucas, pois aqueles homens vingativos iriam voltar e nessa história tão bela não podia faltar o suspense e as surpresas.
A menina Sara ficara contente, seu pai chefe e mentor dos ciganos já alertara todos mas já haviam criado raizes ali e nada podia fazer senão fiacar onde seu bando também ficara.Muitas crianças foram molestadas pelos Padres da Espanha, inclusive sua mulher , tão amada e infeliz, pois perdera a vida e seu filho que no seu ventre existira, sua Sara a amava intensamente e no seu íntimo tinha uma emoção forte que ligavam mãe, filha e pai, foram em outras eras também pai, mãe e filha.Seus maiores temores era perder também seu pai, aí estaria sozinha numa terra feroz e sem amor.
Naquela noite beberam vinho e comeram carneiro, estavam esperançosos, neste dia muitas coisas aconteceram em virtude desta festa.
Maria , Cristina e Estela pouco ficaram ali, pois temiam que algo poderiam fazer seus maridos cruéis, assim que chegaram deram uma desculpa qualquer e seguiram para seus quartos luxuosos. Pensaram elas, o que fazia ali se nada daquele ambiente lhe eram agradáveis? Puseram a pensar em seguir os ciganos rumo a outras terras não tão cruéis, mas como reagiriam seus maridos? E a Igreja as perseguiriam para sempre e suas crianças, colocaram na mesa as mais diversas questões que as afligiam e então a noite chegou e adormeceram com ao menos um sorriso.
Ao amanhecer o Padre Amaro ficara confuso, estava vivendo um tumulto em vosso coração, não sabia se o que vivera fosse real, mal lembrava do que conversaram naquela casa pequena então marcou novamente uma tarde com aquelas mulheres e novamente o plano seguira como combinavam e os dias se seguiram , era final de primavera e todos recolhiam-se em suas casas quando um gemido acordou Sara em sua cabana.
Era seu pai, seu coração enfraquecera com a ausência de sua mãe, Sara tinha por ele um amor incondicional, era uma verdadeira filha dedicada e amorosa, e temia por sua saúde, então resolvera contar-lhe a verdade, toda a verdade, pois ele sabia só uma parte de toda aquela história, talvez isso o fizesse partir com seu bando.
A conversa fora muito calorosa, Sara o abraçou com um sentimento puro e sincero, e tomaram a decisão de partir em breve , mas a questão era como comandar aquele povo que acostumara com aquela terra.
Na manhã que se seguira Sara encontrou-se com Matilda e combinaram um encontro com as mulheres da Aldeia e relataram o que pensavam.
Maria estava disposta a largar a família e fugir com os ciganos, em seu coração falava alto o amor por aquele povo que lhe ensinaram a arte de viver bem, a magia.Cristina pensara também em partir mas para isso deveria planejar com muita caltela, era muito enigmático aquela ligação entre elas, nada aos olhos mortais entenderia aquele sentimento, mas aos olhos da alma todas elas foram grandes conhecedoras de magia no Egito antigo e agora unidas pelos laços da amizade, tudo seria surpresa se Sara não soubesse disso, ela tinha uma visãoo surpreendente em relação as coisas da alma, seu pai fora sempre um homem forte, amável e líder daquele povo e ela o seguia como quem segue o mestre. Os dois tinham um papel importante naquela comunidade, a responsabilidade lhes eram sempre presentes nas conversas, nada tinham em segredo.
As mulheres da Aldeia eram cada vez mais presentes , a fama de curandeiras já corria a região, todos as conheciam mas era segredo entre aquele povo humilde e molestados pela Igreja.Muitos se falavam sobre elas, inclusive que se tratavam de bruxas, e ao longo do tempo isso passou a imcomodá-las, o Padre Amaro já não as molestavam como antes, esquecera delas por um tempo por esta atarefados com suas dívidas com os nobres da Espanha, mas sempre que lembrava algo o tirava desses pensamentos, eram as mulheres da Aldeia em seus trabalhos para que ele as deixassem em paz.
Muito tempo se passou e a cada primavera Sara estava ainda mais bela, Mercedes e Sebastiana estavam já crescidas, Matilda se apaixonara por Gerônimo, pai de Sara , estavam todos felizes em suas casas.Tudo correra perfeitamente bem, A Espanha agora passava por problemas políticos perdera muit ouro em busca de terras a conquistar, a Igreja era agora perseguida por outros tantos religiosos, estava prestes a viverem uma guerra ainda maior, todo o povo cigano ficara apreensivos, já eram tão perseguidos,as mulheres da Aldeia eram cada vez mais procuradas por suas curas e magias, os respectivos maridos passaram a segui-las então os encontros eram agora raros. Estavamos vivendo num clima de terror, todos se tornavam suspeitos e todos se sentiam culpados.
O rei de Espanha estava prestes a visitar as redondezas mas desistiu por conta de um temporal então muitos respiraram aliviados, a chuva iria passar e todos se sentiriam temerosos, prestes a acontecer uma guerra, todos se refugiavam em suas casas , os ciganos resolveram partir devido a visita inesperada do Imperador, nada poderiam fazer senão fugir, ou seriam mortos, a fama das mulheres da Aldeia corria boa parte da Espanha, as mulheres precisavam fugir o quanto antes ou seriam facilmente presas , torturadas e queimadas.
O clima de guerra era facilmente quebrado quando era dia de algum Santo, então o clima se amenizava , mas era só por alguns dias, Padre Amaro perseguia sem piedade os hereges e a fama das mulheres da Aldeia chegara até ele, sentiu-se traído, os maridos das mulheres passaram a maltrata-las sem piedade, as crianças Sebastiana e Mercedes se tornaram grandes meninas de pouco mais de três anos, estavam sempre unidas assim como suas mães.Era preciso de um plano mas para isso precisariam se encontrarem, mas a presença da Realeza era de suma importância aos seus maridos e se fugissem agora correriam ainda mais risco.
A cada dia que passava as esperanças se tornavam estreitas, as pessoas passaram a se entregarem, muitas mortes, as crianças e mulheres eram as maiores vítimas po possuirem maior vínculo entre si, isso e qualquer outro motivo era desculpa para a Igreja os torturarem, muitos confessavam-se culpados para se protegerem. Padre Amaro agora adquirira mais poder, e as mulheres da Aldeia passaram a serem perseguidas, então tiveram que fugir, levaram consigo apenas pequenos objetos, jóias , algumas roupas e deixaram suas casas durante a noite enquanto todos dormiam, Messias ficou em casa durante alguns dias e depois as encontraram no acampamento cigano, agora de fato se tornaram ciganas, o que lhes restaram foram memórias , agora era preciso partir.
No dia seguinte os soldados, os fiéis empregados, todos a procura das mulheres de Ricardo e Gustavo, todas as redondezas foram vasculhadas, o orgulho tornara a maior arma dos dois nobres e criminosos senhores, Padre Amaro havia as escomungado e agora eram caçadas como dois animais, os senhores nobres estavam furiosos e prometeram vingança aquelas duas mulheres sofredoras.
Criiou-se um clima estranho entre os espanhóis alguns as amavam outros a odiavam, então eram duas forças a procura de suas mulheres da Aldeia, não sabiam quem era a quarta mulher, se tratava de Matilda, esta era conhecida apenas como Matilda da Espanha,não a reconheceram pois agora estava vestindo roupas mais simples ao invés das roupas extravagantes de outrora.A cigana Sara era conhecida por sua magia , leitura de carta, era considerada a mais poderosa de todas elas, pois dentro dela tinha uma alma muito forte de quem sempre soube lhe dar com a magia.Todas elas tinham um magnetismo incomum, era notória a presença dessas mulheres a qualquer lugar que se encontravam, logo, seria muito prodente ficarem onde se encontravam, ali na mata camuflavam bem as suas cabanas, muitos ciganos compraram casas na aldeia, esta foram crescendo assustadoramente , todos agora conheciam este lugar, então fugir dali era uma grande aventura.os ciganos eram conhecidos naquela região, alguns até frequentavam a igreja para se livrarem das perseguições, mas a alma cigana era sempre alma cigana.

terça-feira, 22 de setembro de 2009

As mulheres da minha vida - página oito


O padre era um homem misterioso e sabemos ser inescrupuloso, saia nas ruas da aldeia a procura de menininhas ou mulheres para satisfazer suas orgias e era acobertado pelos homens nobres assim como Ricardo e Gustavo.
Muitos sabiam de suas ações nada santas mas tinham medo pois era um homem de muita influência diante da Igreja en Roma, então nada podiam questionar.
As mulheres da Aldeia eram mulheres simples, nobres e principalmente dotadas de um sexto sentido aguçado, estavam se tornando ainda mais preparadas para o que estava por vir.O Padre cada vez mais insistente questionava sobre a fé daquelas mulheres, fazia perguntas íntimas , sobre seus maridos então em uma dessas ocasiões o diálogo se tornou caloroso.
As mulheres da Aldeia: Maria, Cristina e Estela se encontraram na Igreja no intuito de ofuscarem as investidas do padre e sua desconfiança quanto a fé daquelas que muito aprenderam sobre Deus, mas não um Deus humanizado, vingativo e guerreiro, mas um Deus amoroso e absoluto, viam Deus em sua essência, viam Deus nas ervas, nas meditações e nas magias que aprenderam ao longo desses anos.
Matilda ainda estava ali, na casa pequena na floresta, quando avistava algo diferente ou pressentia logo se acolhia em seu quarto.
Mas a verdade viria a tona mais cedo ou mais tarde, pois o padre mandara até aquela casa alguém de sua confiança no intuito de investigarem suas ações, mas era sempre muito criterioso e cruel, era como um lobo feroz durante o ataque, nada lhe escapava aos seus olhos azuis .Padre Amaro era de uma família humilde e entrar para a Igreja o tornara rico, com fiéis temerosos conseguia tudo que queria, era alguém de uma maldade indescritível, tinha em seu quarto retratos de mulheres, crianças ilustrada por artístas pagos e também indígnos, muitos deles já mortos a mando dele por cobrarem em moedas o segredo de seu coração amargo e invejoso.
Padre Amaro era observador e para ele aquelas mulheres praticavam bruxaria, pois percebera um olhar diferente e distantes naquelas mulheres, além de que seus maridos estavam cada vez mais interessados , pois com a morte delas seriam herdeiros daquelas propriedades, principalmente aquela casa pequena no meio de uma floresta que diziam ser amaldiçoada., mas era apenas uma lenda, nada mais, a grande verdade é que aqueles ciganos que ali se escondiam tornava aquele lugar, um lugar mágico.
Maria então ajoelhou-se diante do altar e orou em busca de uma resposta em seu ser.
_ Senhora Maria Pereira, há muito ,tenho observado que a Senhora anda distante, e suas agora amigas Senhora Cristina e Senhorita Estela não se importa com as palavras do Evangelho de Nosso Senhor Jesus notando olhares um tanto pervertidos, sortilégios?
_ Padre Amaro, desculpe minha franqueza mas muito também tenho lhe observado. Mas está me deixando constrangida diante dos fiéis, pensas mesmo nisso?
Espero que essa má impressão não o deixe sem dormir. Somos mulheres dignas e fiéis ao Nosso Criador e Mestre, então não vá fazer insinuações.
_ Desculpe -me mas é que todos da Aldeia notaram o quanto mudaram, quase não frequentam a Igreja, devo alertá-las que em breve farei um passei nas redondezas para que nossos fiéis abastardos voltem a esse recanto do Senhor.
Estela e Cristina apenas ouviram o diálogo um tanto agressivo então por quase um istante ela se manifesta ali com a influência de nossa grata amiga Ester, então tomou fôlego e coragem e disse num tom singelo.
_ Senhor Padre Amaro, nós apenas nos ocupamos de confeccionar roupas, pequenos broches, uma conversa entre mulheres fiéis ao nosso Senhor, não apenas falamos de Deus em nossa Singela Igreja, mas em nossos dias, nos informe quando irá por aquela redondeza para que preparemos um chá para recebê-lo em nossa humilde casa, entào aguardaremos o Nobre Senhor, criatura divina em nosso dígno ambiente feminino , lugar onde nossas crianças brincam ouvindo os sons de pássaros e bichos do mato. Seria muito agradável se viesse e nos fizesse um sermão para que nos tornemos ainda mais seguidora de Cristo numa jornada de luz.Então vamos minhas amigas. Somos gratas Ao Senhor.Espero que possamos nos entender pois nós somos mulheres em Cristo e espero que não nos interprete mal as nossas ações, somos mulheres e mulheres se diferem dos homens.
O Padre Amaro se sentiu um quanto humilhado com aquelas palavras, como uma mulheres pode dizer tal coisa ao representante da Igreja Romana?Como mulheres podem fazer tais coisas sem o consentimento de seus maridos? Mulheres devereriam obedecer seus maridos e não fugirem para encontrar outras mulheres.
As mulheres da Aldeia sairam e quando perceberam-se distante então começaram a falar.
_ Estamos sendo audaciosas não acham?
_ Maria, esse padre é um ser despresível , como sermos fiéis ao seguidor das obras divinas praticante de atos criminosos aos olhos de Deus?
_ Devemos tomar alguma atitude antes que ele nos pegue de surpresa, se nos interrogou na Igreja certamente tem algo abominável em mente.
_ Então tomaremos um chá? Quem sabe podemos fazer algo para que ele esqueça-nos e não volte a nos pertubar.Vamos Matilda nos aguarda.
Chegando ao recanto das mulheres da Aldeia, tomaram uma decisão um tanto audaciosa.
_ Precisamos nos livrar das interrogações do Padre Amaro antes que mate todos nós.Matilda precisamos nos precaver, notou algo hoje?
_ Apenas sensações de que somos observadas.Acho que ele já se encarregou disso, precisamos tomar bastante cuidado os ciganos precisam ser avisados . Sara ainda não chegou.
Enquanto isso Sara caminhava na estrada colhendo suas flores amarelas as que tanto amava quando percebeu a presença de alguém logo se escondeu em um arbusto e de novo uma cena conflitante observou.
_ Precisamos nos precaver, o Padre Amaro precisa se conter, ou mais uma será morta para que cale a boca diante da Igreja, um escândalo poderia pôr tudo a perder.
_ Mas todos já sabem das investidas do Padre, a questão é que também estamos envolvidos com toda essa tramoia, bendita hora que Ester foi aparecer.
_Somos nobres nada acontecerá conosco.
_ Um marido vingativo talvez.
_ Não , isso é impossível!Ester nos devia muito dinheiro.A morte dela era imprevisível.
Nesse momento um vento forte abateu-se sobre eles, no plano espiritual seres horrendo os acompanhavam, pareciam animais, espíritos transfigurados, alguns com correntes em volta do corpo como se fossem coleiras.
Sara obeservava a tudo, se movesse poderia correr perigo, mas o vento os tomaram atenção e ela se afastou implorando a deus que eles se fosse e como sua fé a inundava de luz , os espíritos trevosos não puderam vê-la e ela aos poucos se acalmou e pôde tomar seu rumo em direção ao recanto das mulheres da Aldeia.
Quando chegou relatou o ocorrido e logo tomaram uma decisão iriam fugir, Matilda precisava de um lugar seguro, elas possivelmente seriam castigadas por bruxaria, seriam queimadas vivas diante de toda aldeia e suas filhas ficariam a mercê de seus maridos insanos.Então era preciso apressarem e acalmarem seus nervos, então resolveram meditar sobre essas questões pedindo a Natureza e seus sere mágicos auxílio, então pediram a proteção divina, rogaram por Deus.
Neste instante de luz Ester se materializou através de Sara e esta disse:
_ Amigas queridas e minha Matilda amada. devo alerta-las que em breve não mais poderão se reunir aqui, o Padre Amaro com auxílio de algum servo faz cabana a poucos metros daqui. Precisam ter coragem e se assumirem como mulheres fortes que são, devia muito a eles pelo abrigo que me consederam e em pagamento me deitava com eles, a jóia ainda está debaixo da árvore, peguem-a poderão precisar dela.Não tenham medo apenas tenham fé.
O perfume do lugar se tornara suave e acolhedor, após a manifestação tomaram um chá de ervas para se acalmarem. Pensaram em algo.
Tudo correria bem até a vinda do Padre Amaro, deveria colher o maior número de tricôs possíveis , o chá colhido na hora e todas as palavras bem ditas para que não suspeitasse de nada , avisaria os ciganos da passagem do Padre Amaro por ali e Matilda ficaria aos cuidados deles até que a presença do padre fosse enfim desviada para um outro lugar.Maria acompanharia o padre pelas redondezas mostrando o lugar o desviando dos ciganos e com a fé em Deus tudo ficaria novamente em paz.
Entào o Padre Amaro mascou um encontro como pretendia, nos últimos dias tudo estava saindo como planejaram o dia em que finalmente chegou a apreenssão tornou-se presente, as forças das trevas o seguiam como fossem cães ferozes, o ambiente ficou pesado e sombrio, qualquer defumação ali poderia colocar a perder , então apenas fizeram uma colheita de ervas dali , enquanto ele estivesse por ali,se sentiam protegidas .
Matilda há dias havia preparado uma pequena porção de ervas para a estada do padre por ali, fez uma caneca e deixou-a para que fosse aquecida e dada a ele. nesta pequena porção havia um efeito tranquilizante em favor das mulheres da Aldeia, ele sentiria uma leve sonolência, e se algo desse errado se lembraria apenas de coisas comuns.A manipulação das energias ali era apenas uma pequena parcela das mágicas que elas poderia fazer, então ele tomou a porção e nada sentiu de estranho, apenas comentou e as mulheres já sabidas apenas questionaram a ele sobre o que pretendia fazer ali.
A porção surgira efeito, da boca do Padre Amaro surgiram palavras estranhas , não entendiam absolutamente nada, na verdade trevosos se apossaram dele e temerosas rogaram por Deus, quando recobrou-se o Padre se viu ali rezando com aquelas mulheres não recordava de nada e num tom suave e sereno Cristina disse:
_ O que houve Padre Amaro está tudo bem, desde que chegou está aparentemente tão cansado, vamos dar um passei já acabamos nossas orações rotineiras, queirame acompanhar.
O Padre Amaro nada entendia , e caminho durante horas ao lado das mulheres da Aldeia, as criaças fiicaram aos cuidados das servas e tudo correu como deveria ser.
Os ciganos estavam já cientes de tudo, e aquelas mulheres se tornaram as heroínas daquele povo itinerante que vivia fugindo das atrocidades da Igreja e de seu Clero representado por tantos malditos, pois muitos eram influenciados por espíritos trevosos, magos negros .E o dia findou com uma grande festa na alma daquelas mulheres.

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

As mulheres da minha vida- página sete


O sol em seu esplendor inundava o ambiente onde as amigas se encontravam, as energias luminosas do sol ali estavam para purificar o ambiente para agora a revelação que aquelas almas sofredoras ali pudesse relatar com detalhes as suas lembranças e assim foi.
_ Minhas amigas que salvaram a minha vida , a morte eu vi diante de meus olhos e nosso estimado Messias me ajudou a resgatar.Devo agradecer-lhes por tudo que me concederam e agora devo dizer a verdade, que por muito tempo me vi presa , pois esta afeta a todas nós inclusive a pequena Sara que desde já amamos.Naquele dia em que nos encontramos temia ser encontrada por aqueles que mataram Ester, meu coração pulsava fortemente ao chegar em casa, para falar a verdade nem tive coragem de entrar, simplesmente me detive a relembrar os altrozes, mas deus em meu coração diz que o amor deve ser maior que o medo. Ao chegar tive a intuição de não entrar em casa, chegaram arrombaram a minha casa e ao saírem entre e vi o que fizeram, procuravam algo , não sei bem ao certo o que era, mas queriam a mim e a minha jóia, a única que possuo, um calafeu, herança de meu pai que morrera nas cruzadas, meu irmão que Deus também o tenha morreu durante a guerra, e a jóia é a única lembrança que tenho de uma família esquecida.Como a jóia não me desprendo, aquela manhã resolvi enterra-la debaixo de uma árvore diante de minha casa com um papel de seda o envolvia, então esperei um tempo debaixo da cama para que se eles voltassem não pudessem me encontrar, adormeci ali mesmo, entre bichos indo e vindo pois se deixasse as portas fechadas provavelmente iriam entrar e logo me encontraria, mas quando amanheceu então preparava-me para fugir, não sabia bem qual seria meu destino mas as minhas idéias fervilhavam, pensei em minhas amigas mas não poderia, seria me setenciar a morte.
_ Porque diz isso.
_ Porque os meus algozes são seus respectivos maridos.Eles e seus fiéis seguidores.
Neste momentos as mulheres pálidas se colocaram apenas a ouvir.
_ Siga , continue por favor, não esconda fato algum.
_ Quando me preparava para sair chegaram dois homens ditados nobres para que eu os acompanhasse, diziam serem clientes vindos de longe, mas eu os neguei e estes me pegaram pelo braço, então debaixo daquela árvore me violentaram e então vi com meus olhos os dois homens que mandaram matar Ester.Disseram que eu precisava pagar o que Ester devia a eles e a jóia que possuia já lhes eram suficientes, e que alguém me vira enquanto Ester morria em seus braços, alguém me viu naquele dia, não sei quem é ,mas me viu.Eu era testemunha de um crime, ninguém poderia prever. Uma mulher da vida não teria chances mas eles achavam melhor me matar do que correr risco de que eu um dia falasse.me pegaram me atiraram pedras e por fim, me apunhalou e eu não mais tive reação a nào ser orar por um anjo naquele momento mortal.Me jogaram na estrada mas as minhas amigas me encontraram , me deram um lar, uma vida com que sempre sonhei, mas agora temo por vocês que me acolheram.
A menina Sara com seus olhos umidecidos disse num tom misericordioso e dotada de uma vidência, disse suave.
_ Minha querida Matilda , também presenciei a conversa de Ricardo num pequeno clarão, na floresta, não contei nada pois temia represária, meus pais e minha família cigana nada podem sofrer, já tantos séculos perseguidos.Agora com essa revelação temo por todas nós.
Maria pálida mas sóbria sorriu e disse, vamos tomar um chá e nos recompormos pois este dia já está findando e precisamos tomar algumas atitudes.Minha queria Maria prepare para nós um chá de erva doce, disse a uma de suas empregadas.
_ Sim Senhora.
Maria era uma mulher muito forte e dígna estava com a família de Maria a muitos anos , tinha total confiança das mulheres da aldeia.Logo que trouxera a jarra com o chá retomaram a conversa.
Cristina então já repomposta disse com um ar de superioridade e destreza.
_ Precisamos de estratégia para que não encontrem Matilda e a pequena Sara, precisamos ter cautela pois agora somos nós as mulheres dotadas dessa verdade que é de total segredo entre nós.Devemos agora pensar em um modo para tirar Matilda desta casa pois como sabemos que nossos maridos são os criminosos cruéis devemos então nos precaver, mas acho que ainda deva ficar aqui, ainda não sabem que Sara sabe de tudo, então corremos menos riscos, na verdade meu coração palpita forte e descompasso. Eu já me sinto inojada com meu marido a agora estou ainda mais indignada.Como poderei olhar em seus olhos?Como podem ir até a Igreja e diante de Deus disserem-se homens de bem?Temo pelas minhas reações diante dele.
_ Cristina, também passo por igual situação e nós mulheres da aldeia devemos usar nossa intuição e inteligência para que nada desconfiem, ou corremos risco de vida e os outros com quem convivemos.Meu marido Ricardo já trazia de antes então indícios de crueldade mas meus pais me obrigaram a me casar com ele, mas com o tempo eu passei a ama-lo mas o tempo também nos ensina que amor verdadeiro é algo bem maior do que nós podemos pensar, eu por ele tenho apenas desprezo mas meu papel diante de tudo isso é de mulher de Ricardo Pereira.Nós precisamos nos unir e nos dedicarmos a resolver estas questões antes que descubram Matilda aqui então como esperamos correremos riscos.
Apreensiva Estela se fez falar e tomou a decisão mais difícil de sua vida, contaria a verdade.
_ Cristina, tenho algo a lhe dizer, há muito tempo seu marido Gustavo me assedia, no início senti igual atração mas percebi o quanto nós duas somos amigas e sentimento de amor é maior, sei que ele é um homem cruel e selvagem , devemos tomar uma atitude um quanto antes pois temo que correremos perigo.
_ Porque não me disse isso antes?
_ Temia sua reação.
_ Não confiou em mim, mas vamos nos recompor e planejarmos algo antes que eles descubram.
Mal sabiam elas que eles já há muito tempo desconfiavam de suas saídas constantes nas tardes mais quentes e longe das crianças mas com ingenuidade elas nada observaram mas foram seguidas durante o trajeto. Um de seus comparsas as esperavam do lado de fora para então saber do que se tratavam aqueles encontros, como ainda não sabiam que Matilda se encontrava ali nada falaram aos seus patrões, mas aquela menina cigana ali os deixaram curiosos.Antes que elas pudessem sair eles voltaram para relatar a tarde de encontro das mulheres da aldeia.
Matilda com uma intuição firmemente guiada por sua amiga Ester, logo disse:
_Não devo demorar por aqui, algo me diz que eles em breve virão.
A menina Sara então disse:
_ Logo saberão sobre mim, o que devo falar?
_ Que a carroagem a machucou que a trouxemos para esta casa e que fomos embora.Assim não correrá risco.
_ É melhor que partimos agora antes que anoiteça, deixaremos Sara em sua casa e Matilda fique atenta aos passos e aos redores, sinto que eles possam aparecer.
Elas se despediram e tudo fizeram como planejaram, no dia seguinte um empregado de Ricardo foi até a casa de campo constatar o que pensara mas nada encontrou pois Matilda no momento se encontrava na mata buscando ervas para seus banhos matinais, ao voltar descobriu e ficou apreensiva e não saiu do quarto até se sentir segura e decidida a ir embora, temia pelas amigas.
Nesta mesma manhã Gustavo foi até a casa de Sara e perguntou o que fazia ela em companhia de Cristina e ela muito gentil embora amedrontada disse o que havia combinado naquela tarde.
Gustavo confiante saiu e disse para que ela ficasse longe de Cristina, pois não queria que influenciasse sua mulher com coisa que não eram de Deus e que em breve deviam sair dali.
Sara assim que ele saiu, foi a procura de Maria relata o que acontecera então todas se reuniram na casa de campo esta que poderia ser a última vez .
Matilda então relatou o que sentira então tomaram a seguinte decisão.
Sara deveria contar a seus pais o que acontecera para que fugisse de lá mas que planejassem com cutela para não sofressem, mas já se instalaram ali, dificilmente iriam mas era preciso que fossem embora o quanto antes, Sara parecia prever o que de certo aconteceria.
O tempo passou e eles se acostumaram com as saídas de suas mulheres,a menina Sara já não dava indícios de amizade com elas, entào ficaram traquilos, pensaram que era apenas uma cisma ou algo assim.. Mas na verdade as mulheres da aldeia continuavam se encontrando Sara ensinava a elas a magia cigana , as ervas curativas, e elas as mulheres da aldeia já estavam sensíveis as coisas do além.A presença de Ester eram constantes e a cada encontro se tornavam ainda mais unidas.Enquanto isso seus maridos se rediam as noites vadias e a crimes sem a menor suspeita de que homens nobres podiam ser causadores de tantas trocidades, mas nada sem muitas novidades, a esta alturas as mulheres da aldeia quase não iam até a igreja e quando perceberam já não podiam fugir do que se tornaram serem, verdadeiras ciganas.
Sara se sentia já mulher da aldeia e seus ensinamentos muitos eram acrescentadas por Messias. As crianças passaram a ir com mais frequência e ali naquela casa de campo crescia a harmonia e a união daquelas mulheres ciganas.
Passavam horas estudando as energias do lugar, dominavam técnicas e elas se tornavam ainda mais fortes e confiantes.
Mas seus maridos que nada sabiam continuavam vivendo vidas duplas e elas não mais se interessavam, foi aí que começaram a desconfiar das tardes em que elas se encontravam, pois deixaram de serem suas mulheres , as vezes estas se deitavam , faziam seu papel como mulheres e nada sentiam a não ser inojadas e em muitas ocasiões desprezíveis , pois eram apenas o que eram, mulheres.Não queriam mais dormir com seus maridos mas a idéia de serem descobertas e de que eram esposas perante aos olhos de Deus, assim com eram -lhes ensinadas pelos padres e por suas famílias, eram preferível ser odiada pelos maridos do que serem amaldiçoadas pela família e pela igreja.
A Espanha era cruel com os infiéis, muitos falavam das atrociadas que fazia no novo mundo e ficavam temerosos em serem mandados para o outro continente. O clero era ainda mais cruéis a medida que iriam perdendo fiéis, quando o padre Amaro notou que as mulheres da aldeia já não iam tanto a Igreja e notando a ausência em suas casas a tarde como confidenciaram seus maridos , ele como se esperava já queria entender o que faziam aquelas mulheres naquela casa pequena e de pouco valor no meio da floresta, então pos-se a agir conforme ele dizia: Fazer a vontade de Deus, em sua defesa . mas nada sabia ainda a respeito então passou a questioná-las a respeito, só assim poderia agir.

sábado, 19 de setembro de 2009

MULHERES QUE AMAM.


Hoje nasceu uma nova mulher em mim.
Hoje vi uma chuva de flores brancas
Uma cena indiscritível.
Uma sensação de louvor em mim existiu.
Vi grandes mulheres que lutam numa cruzada.
Sua majestade Nossa Senhora Mãe de Jesus.
Num céu azul inimaginável.
Uma luz que aqueceu meu coração sofrido e calejado.
Me chamando para amar.
Quem é quem fosse.
Que usasse minhas palavras para que seguidores venham e floreçam.
Vi freiras aladas sorrindo e me enchendo de luz.
Me coroando e me aliviando as pedras que irem encontrar.
Acalmou meu coração como quem mata a sede e a fome de alguém.
Me abraçou e seu sorriso sereno me conduziu ao extase do momento.
O perfume era compestre e as marcas nas mãos dela dizia que era.
Doces Senhoras vestidas com véus,mantos e chapéu.
Em todos os lugares via a limpeza da aura do lugar como se fosse faxineiras do amor.
Nasceu em mim , uma mulher mais renovada.
Nasceu em mim , uma mulher poderosa.
Nasceu em mim, uma rainha adormecida.
Lembrei-me de quem eu fui, sou e serei.
E aquela força se alastrou e me conduziu à lágrimas de alegria.
Queria que aquele momento ficasse em mim.
Numa tatuagem astralina.
Uma coroa prateada e um manto me envolvia.
Me vi como uma mulher entre elas.
Me senti mãe do mundo.
Me senti a mãe de todas outras.
Me senti pelo menos neste instante.
Divina, simplesmente divina.
E num pensamento .
Vi e percebi como agir.
Vi também um futuro logo ali.
Mulheres unidas, mulheres fortes, mulheres irmãs.
Ali estava eu de pé com minha menina no colo enquanto a outra brincava.
Eu vi um futuro de lutas, uma luta feminina.
Onde os direitos são iguais.
Onde a violência não mais existia.
Onde maridos e filhos não atacassem suas companheiras e irmãs com uma força desigual.
Quero que isso seja apenas um hino e um ideal.
Cumprirei minha tarefa na irmandade do amor.
Me fazendo mártir se preciso for.
Me fazendo arte, me fazendo gente, e sendo apenas uma mulher.
Sou entre tantas as que buscam e lutam.
Sou entre tantas que o amor fazer-se presença.
Num amanhã próximo o amor será mais real.
Deixará de ser palavra.
Deixará de ser um sonho.
Passará a tornar verdade no coração de quem muito pode existir.
Deixarão estas mulheres de serem perseguidas por quem as maltratam.
Deixarão de serem agredidas.
Deixarão de serem dependentes emocionalmente.
Deixarão as amarguras.
E passarão a serem mulheres reais.
A coragem deve existir em todas nós.
A coragem de arrancar dos corações palavras de devesa.
A paciência de esperar o momento certo.
A paciência de esperar o direito de liberdade.
O cansaço nos faz agir.
Estamos cansadas de esperar os homens com suas escolhas absurdas.
Estamos cansadas de nos torturármos por erros que não cometemos.
Estamos agindo de acordo com nossa consciência.
Não vai ser uma palavra negativa que irá nos deter.
Quem pode dar a luz somos nós.
Somos os ventres da humanidade.
Somos nós que escolhemos a nossa família.
Somos nós que somos muitas vezes ridicuralizadas e humilhadas.
Por homens e por muitas mulheres que ainda vivem a depender da força masculina para se sentirem poderosas.
Estas que se esqueceram da moralidade e do amor próprio.
Somos nós vítimas?
Não somos vítimas somos lutadoras.
Somos perfeitas?
Não, somos mais humanas.
Apenas somos mulheres.

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

As mulheres da minha vida- página seis


Ali estavam elas , as duas espantadas com o que viam e como esperávamos a morte de Maltilda era certa mas o destino ali nos pregaram uma peça, ainda viva, Matilda tentava dizer algo, mas no calor das emoções nada disse, apenas chorou.
Incrivelmente uma carroagem passava por ali era Messias a procura de matilda e como nada é por acaso, a colocaram no veículo em direção a casa de passeio de Maria que não era muito distante dali, embora aquela cena nos choque , ainda sim ela Matilda corria perigo de vida, pois os ferimentos eram profundos,mas Messias um homem de muito conhecimento no que nos diz respeito a ervas medicinais já em sua mente se organizava para ajudá-la nada daquela situação era esperado mas tudo foi uma providência divida e não estava no momento de nossa amiga Maltilda vir a falecer.
Depois daquela cena tocante as duas amigas continuaram em silêncio até que chegaram na casa no alto de um penhasco.
_ Estela nada que aquilo que aconteceu naquele lugar deve ser revelado, a ninguém por favor, principalmente ao meu marido.Promete que nada falará?
_ Claro, se alguma de nós revelarmos o que acontecerá , tenho aa intuição de que correremos perigo, se lembra daquele dia na Igreja? Pois bem , nada deve ser dito.
_ Que bom que pensas assim pois acredito em suas palavras, como estou? Meu coração ainda palpita forte pelo acontecido.
_ Está um pouco pálida mas vou pensar no que dizer se perguntarem.
_ Diga somente que tropeçei, assim nos livramos.
_ Não, se dissermos isso vão ter ainda mais cuidados com a Senhora, dissemos então que um animal nos assustou. Assim nos livremos de mais interrogatórios.
Estela era muito inteligente , de repente ela vê um vulto, como se alguém estivesse ali as observando.Então reconhece que era uma mulher, mas ela não fora a única cristina também vira mas envergonhada apenas pergunta.
_ Você viu?
_ Sim eu vi.
_ Apressemos os passos talvez seja apenas algum de nossos empregados.
Messias já chegara na casa de passeio , no meio do caminho trata-se de pegar algumas flores amarelas que encontrastes no camigo e outras ervas que conhecera.Pede que os outros empregados da casa o ajudem a carregar a mulher em teus braços e pede que nada devam comentar sobre aquilo que viam a pedido de sua amada Senhora Maria, como era muito estimada todos acolheram suas exigências.
Matilda sangrava muito e Messias fazia suas orações para que aquelas ervas a curassem ou ao menos ajudasse a estampar aquele sangue que jorrava, todos ali oravam por aquela mulher aparentemente fraca.Messias passou dias cuidando daquela mulher e em poucos dias já estava se recompondo, como Ricardo esqyecera daquela casa pequena no meio de uma floresta quase não frequentava ali .
Maria já havia recebido a mensagem do que havia acontecido e como era uma mulher sensivel passava dias preocupada e apreensiva pois seu marido não poderia nem pensar no que poderia ter acontecido.
Cristina e Ester , junto com Maria iam na casa com muito frequência e durante esses dias tumultuados os maridos de ambas havia de estranhar a amizade mas como cautelosas Senhoras nada perceberam.Até que naquele dia numa reunião na igreja não se falava em outra coisa senão no desaparecimento de Matilda.
Se passaram um pouco mais de um ano e Matilda já havia se estabelecido mas nada comentara de seus algoses, talvez para proteger suas amigas que muito lhe estimava.
Conversavam sobre tudo se tornaram amigas fiéis e cada dia era mais intensa essa relação entre elas.
Tornaram-se irmãs, tendo entre elas um pacto. Entre elas não haveria mais segredos cada uma protegeria a outra dos males que as afligiam tornando-as fortes.
A menina Sara já estava moça, as crianças já estavam completando quase um ano, os encontros dessas mulheres já não eram tão constantes mas o sentimento de amor e solidariedade entre elas eram ainda mais forte, sentiam falta uma das outras.
Numa tarde marcaram um encontro na casa de campo ,as Jovens mães deixaram as crianças aos cuidados dos empregados e foram cada uma em sua carruagem.Elas estavam contentes e animadas pois já se passaram muito tempo e todos já haviam esquecido do desaparecimento de matilda.
Mas próximo dali havia uma outra reunião secreta , os homens responsáveis pela morte de Ester estava apreensivos pois como todos conheciam Matilda e seu desaparecimento corriam suspeitas mas logo se acalmaram pois ninguém suspeitaria de homens com títulos de nobreza não é?
Sara saira de sua casa perto dali e como de costume colhia as flores amarelas do caminho, quando a carruagem de uma das jovens senhoras passa apressada , então a menina na beira da estrada cai e percebendo do acontecido param para ver se ela estava bem, quando perceberam que era uma menina cigana ficaram apreensivos e logo foram interroga-la para saber se estava bem.
_ Minha filha, nos desculpe, vamos ver como está.
_ Minha Senhora , está tudo bem , foram apenas arranhões.
_ Mesmo assim , entre vamos cuidar desses arranhões.
Messias então a carregou no colo e a deixou sentada ao lado de sua Senhora.
_ Meu nome é Maria, qual é o seu?
_ Sara, Sara Molevarde.
_ Que belo nome, minha filha se chama Sebastiana.
_ Que linda, quantos anos ela tem?
_ É só uma menina ainda não completou um ano.
_ Vamos já chegamos, vamos dar uma olhada nestes arranhões.
_ Obrigada , Senhora.
_ Me desculpe por isso, espero que seus pais não se aborreçam.
_ Eu juro, está tudo bem.
_ Nossa que menina linda. Quem é ela?
_ Sou Sara , a sua disposição.
_ Meu nome é Cristina,você é tão linda, venha vamos nos sentar.
_ Você moram aqui?
_ Minha querida, aqui é apenas um refugio para nós, somos amigas de longa data.
Após as apresentações comeram e beberam as delicias preparadas pelos empregados fieis da casa em especial por Matilda que adorava preparar as refeições para as reuniões das mulheres da aldeia como se intitulavam.
Naquela tarde foi tudo em perfeita harmonia, logo começaram a falar sobre as questões mais íntimas, neste instante Sara estava do lado de fora com uma boneca que a pequena Sebastiana deixara lá em companhia da outra menina Mercedes filha da então Cristina também com quase um ano.
A conversa estava muito agradável quando elas, as mulheres da aldeia sentiram que alguém as observavam , mas não um ser ali encarnado mas um espírito. Alguém da qual nunca se esqueceram a jovem Ester.
Num momento entre arrepios e saudades, Matilda disse algo que as deixaram um tanto curiosas mas pasmadas.
_ Quero que não haja mais nenhum segredo entre nós, me sentia muito mal em não dizer-lhes quem foram aqueles homens que me jogaram cruelmente naquela mata e que por providência divina me socorreram e me amaram.
Cristina um tanto assustada disse:
_ Senão quiser falar, vamos aceitar, afinal são momentos que prefiro esquecer.
_ Cristina minha amiga, devo dizer que estou agora preparada para as conseqUência de minhas palavras e das revelações que a tempos me aflige o peito.
Maria sentiu nos olhos de Matilda uma terna e maravilhosa feição e isso a fez dizer, talvez por intuição, ela mesmo não soube entender.
_ Tudo bem! Seja qual a verdade for, estaremos unidas e fortes.Ficaremos temerosas mas a acolhemos porque por você temos uma grande amizade, uma força que nós não sabemos descrever com as palavras que possuimos.
Quando naquele instante Sara entra e dizer com palavras suaves e ingênuas embora tenha uma força por vezes imcompreensivas mas disse com um tom de segurança e humildade.
_ Eu vi aqueles homens que tentaram te matar e que mataram aquela outra moça.
Todas ficaram paralisadas com esta revelação e ela tornou a dizer.
_ Não se preocupem pois não direi nada a ninguém, neste ambiente de paz as nossas palavras se tornam únicas e secretas.
Entào com todas comovidas com as palavras de uma menina, ficaram em silêncio para ouvir da boca daquela menina a verdade . Ester envolvida com uma luz indescritível ali observava a reunião e com um sopro de amor estava pronta para sorrir depois de tanto tempo sem poder se manifestar diante de suas agora amigas. Seria uma manifertação envolvida por um magnetismo suave e singelo nada falara apenas sentira aliviada, apenas aliviada.

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

As mulheres da minha vida- página cinco.


Nossa Sara entra na casa da sogra amada e gentil e sente-se incrivelmente mais leve sua sogra percebe a transparência da situação pois tem uma sensibilidade aflorada e trabalha constantemente seu íntimo e sua força energética.
_O que houve mamãe, está estranha?
_ Não é nada meu filho, só uma alegria grande em vê-los. Como está o meu netinho?
_ Está bem!Ainda não dá para saber o sexo mas quero que seja apenas saudável.
_ Minha filha ! Posso falar um instante com você?
_ Sim .
_ Meu filho vá preparar um lanche enquanto conversamos.
_ Tá bom, mamãe.Não vá falar maluquices com Sara, ela já anda preocupada.
_ Calma.Tudo dará certo meu bem. Venha Sara.
Entram num quarto onde estão algumas fotos.
_ Minha filha, sabe que te considero como uma filha, sabe também que tenho que agradecer por ser a nora gentil e amável, mas tenho que lhe dizer algo.
_ O que foi?
_ Está se sentindo bem?
_ Tenho tido sensações estranhas referente ao meu filho, um sentimento que não compreendo.
_ Sabe que sou espírita não sabe? Então. Tenho recebido algumas mensagens referente ao meu neto querido. Não quero que se assuste.
_ Eu sei, antes eu tinha medo disso mas quando conheci a Senhora, estou mais esclarecida, antes tinha muito preconceito e era incrédula.
_ Eu sabia disso e sinto-me aliviada.
_ Quero que vá comigo as reuniões no centro para que faça um tratamento energético, quer dizer, para que você não tenha essas sensações estranhas e que te encomodam, sabemos do que se trata e aos poucos serào revelados muitos segredos e questões que lhe trás desconforto.
Abraçaram-se e Sara chorou compulsivamente como se aquela mulher a sua frente fosse sua mãe.Sara possuia uma tristeza íntima pois se sentia só , longe de sua màe que já falecera e aquela mulher chamada Sofia, era agora sua mãe querida.
As duas ficaram minutos ali abraçadas e Sofia viu um espírito infantil sorrindo naquele momento ,ela reconheceu seu netinho que viria em breve a este mundo.
_ Mãmãe? O que está fazendo? Sara não pode ter emoções fortes. O que disse a ela?
_ Nào disse nada demais , só me chamou para participar das reuniões no centro e claro que vamos.
_ Não vou não, tenho medo.Depois a gente conversa sobre isso.
Maria estava agora em seu quarto acariciando sua barriga já grande mas ainda estava preocupada com Matilda , pois vira nela algo que lhe assustara, sentia em seu íntimo que correra perigo mas quem iria acreditar além de Messias seu servo querido e humilde.
Nas escadarias de sua casa estava quadros magnificos entre eles seus antepassados, aquela casa pertencia a sua família mas quando casara aquela casa agora pertencia a seu marido Ricardo e isso fizera dele muito mais arrogante que antes, mas ela pouco se importava apenas refletia sobre sua própria conduta moral perante aquela situação, estranhamente a morte de Ester mexeu com ela, coisa inesplicável ao seu ver e seria obvio que seu marido nada entenderia.
Chamou Messias e lhe disse:
_ Meu querido Messias, por favor venha, vamos conversar. Tenho algo no meu peito e que quero compartilhar com alguém do qual posso confiar.
_ Sim ama!Na minha terra isso era explicados pelos espíritos da natureza, mas não posso dizer nada e nem mesmo orar por eles. Sabe ,essas coisas colocam a gente na fogueira, então eu não quero morrer.Muitas pessoas usam isso e eu não quero prejudicar ninguém , sou seu servo e só posso servir a Senhora.
_ Meu amigo!
Maria pôs-se a chorar naquele ombro calejado e judiado, ele com seus braços forte acariciaram seus longos cabelos louros e disse com um tom gentil.
_ Minha ama, tenho pela Senhora uma admiração e respeito, devo alertá-la.
_Sobre o quê?
_ Vosso marido.
_ O que há?
_ Ele anda muito estranho , apenas isso.Todos nós gostamos da Senhora e sabemos da forma que lhe trata, não é cortês.
_ Sinto muito se ele não los agradam. Mas ainda é o meu marido.
_ Sim Senhora, devo calar-me então.
_ Não meu amigo, só me diga , porque pensas assim.
_ Não gostamos da forma que ele lhe trata .
_ Tudo bem, já entendi.Na verdade, estou desconfortável sobre a morte daquela mulher, Ester. Tu conhecertes?
_ Ela era muito bonita, mas nada sabemos sobre ela além de ser uma mulher da vida como dizem, mas era uma mulher muito boa, ela frequentava a igreja mas deixou de ir depois que o Padre Amaro a expulsou de lá, é a única coisa que sei.
_ A sua amiga que esteve aqui se mostrou muito preocupada, logo pensei que ela corre perigo de vida, dentro de mim diz para eu ajudá-la mas não sei como.
_ Sabe aquela casa de campo que possuem, talvez deva acolhe-la lá.Mas seu marido não deva saber, não permitiria.
_ Então façamos assim, vá até lá e diga de minhas pretensões, seja breve, eu direi qualquer coisa ao meu marido. Agora vá. E Deus o abençoe. Diga a ela para me encontrar na igreja amanhã bem cedo para combinarmos a sua partida. Meu Messias querido. Obrigada.
_ Sim Senhora, devo ir.
Cristina e Estela chegaram ao lugar medonho , onde suas memórias lhe deixaram abater-se , lembrou-se de tudo, mas no fundo queria passar um véu naquele momento.
Estela era uma amiga fiel, mas dentro dela existia algo que a amedrontava. Estela amava seu marido Gustavo e esse era seu segredo, pois amava também Cristina e aquele sentimento a fazia triste e deprimida.Defendera Cristina sempre, pois sentia por ela um sentimento fraternal, se tornaram irmãs, e aquilo lhe confortara, tinha esperança de esquecer Gustavo, mas ele a assediava e tinha medo de dizer isso a amiga mesmo que ela o amava mas o sentimento pela amiga era maior que aquela paixão enfurecida.
Cristina possuia um magnetismo muito intenso e isso era notório a olhos dos mais incrédulos. Ela era amável com todos e nada discriminava além das atitudes cruéis do marido mas nada falara para não haver discussões e não ser devolvida aos seus pais , pois para eles seria um ultraje e dificilmente seriam perdoados por Deus, e principalmente pela Igreja que todos temiam.
Na Espanha a Igreja era bem cruel, os fiéis temiam os castigos divinos e mesmo o clero que sabiam forjar muitas situações, isso acorvadavam todos, eram tempos ferozes. Todos viviam temerosos, sem fé embora esta era a palavra mais dita e mais exigida, mas na verdade ou eram fanáticos ou incrédulos pois o medo fazia de muitos mentirosos, muitos forjavam milagres, outros entregavam vizinhos, amigos e parentes a fogueira em troca de uma poucas moedas ou para que os tributos fossem mais leves ou mesmo esquecidos, para a Igreja a inquisição tornara uma febre.
No mundo invisível as fogueiras eram festejadas , aquelas pobres almas estavam ali presas , muitos sentiam ainda as queimaduras pois ficavam presas ao ódio e a vingança, outros se achavam redimidos e logo eram socorridos pelos amigos de luz.
A menina Sara chegara em casa,uma tenda simples mas cheia de porcelanas, cores e lenços , adorava aquele cenário, mas agora seus pensamentos se voltaram para a cena que vira, adormeceu , sonhara com aquela cena e se os visse provavelmente poderia reconhecê-los mas a verdade é que ela preferia esquecer pois sentira que aquilo só iria prejudicar a comunidade cigana que vivia fugindo do Clero, agora todos estavam cansados pensavam seriamente em se instalarem naquela provincia e quem sabem se tornarem viventes dali, muitos ciganos morriam em centenas pela Igreja, trucidaram muitos ciganos que eram covardemente roubados, queimados, então para o bem daquele povo cansados de sofrer, pensavam em se fincarem ali, mas a tradição falava alto ao coração.
Cristina Então andou e avstou o acampamento de ciganos escondidos na mata, ela em um breve momento quis avançar mas preferia voltar para casa depois voltaria , já que a curiosidade a deixara com entusiasmo, muito falavam de ciganos e ela gostava deles mas não entendia o porque , talvez dentro de sua alma alva a sentia assim,uma cigana fora de seus acampamentos.
Voltaram para casa em silêncio, nada falaram. O silêncio foi quebrado por um grito.
Neste momento seus corações tremeram e se esconderam nos arbustos , e viram homens de negro, espadas e Matilda.
O grito era daquela mulher serena que conheceram na Igreja.Novamente a jogaram na mata assim como Ester.
Esperam que eles se fossem para então socorrerem ela ou ao menos tentarem.
Aquele grito as fizeram sentir horrores em vossos corações sofridos e dolorosos mas o mais importante era encontrá-la e quem sabe vê-la ainda com vida.